quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Jacobina, CWB

Fachada do Jacobina


Enquanto nos arrumávamos para o evento (pós painel, ainda deu tempo de voltamos ao nosso hotel), entrei no site da Veja e fui atrás das opções de entretenimento em Curitiba, já que a proposta seria a gente esticar para um local novo.
Vi algumas opções legais: Vox, TAJ, Full Jazz, mas a aposta ficou para o Jacobina. O item que nos convenceu foi a costelinha cozida no leite de coco e frita, em seguida.
E rumamos para lá, já bem tarde da noite e frrrrrrrrrrrrio.
O local é uma graça, bem no clima de uma antiga mercearia, lotado!
Mas conseguimos uma mesa rapidinho. Sentamos nós três e pedimos um prosecco brut (ADORO!!! Chega de chope, viu povo?) e as tais costelinhas, que chegaram em seguida, fumegantes, DI-VI-NAS.
As costelinhas



Só me incomodou o fumo. Muitos, muitos fumantes e fumaça abundante.
A conta veio honestíssima (apaixonei pelos valores curitibanos), uns 25 pila para cada uma.
Saímos por volta das duas da manhã, congelando e zarpamos pro hotel.
Ah, eis a resenha da "Veja - o melhor de Curitiba":

JACOBINA
Misto de botequim e restaurante, o Jacobina evoca o clima das antigas mercearias de Curitiba. O salão interno é decorado com objetos de estimação, como televisores antigos, máquinas de escrever, torneiras, moedores de carne, chaleiras e frigideiras. O quintal tem cobertura retrátil, o que propicia um bate-papo confortável independente do clima. O sucesso da casa garante a animação principalmente nos fins de tarde, tanto que o Jacobina recebeu do júri de VEJA Curitiba o título de a melhor happy hour da capital. Muitas pessoas também são atraídas pelo outro grande atrativo do bar, sua culinária, que lhe rendeu novamente o posto de o melhor bar para petiscar na cidade. No almoço, a comida tradicional brasileira é servida em pratos individuais, com opções que variam a cada dia da semana. Uma sugestão é o bife acebolado, acompanhado de arroz, feijão, farofa e salada (R$ 8,90), ou a rabada com agrião e polenta (R$ 10,50). À noite, a cozinha popular internacional toma conta do cardápio, que tem pratos típicos de vários países. Como entrada, a sugestão é a porção de tulipas de frango ao gengibre, a R$ 8,25. Entre os pratos, o cuscuz marroquino de carneiro leva vegetais, azeite de oliva e carneiro ao molho, por R$ 14,95. As sobremesas da casa são famosas, especialmente o sorvete de queijo, feito com requeijão, creme de leite e queijo parmesão e servido com calda de goiabada, a R$ 6,00. Aos sábados, a feijoada com chorinho se estende por toda a tarde. É servida à vontade, a R$ 13,90 por pessoa. Para beber, oferece caipirinhas de frutas como morango, kiwi ou lima-da-pérsia, além da tradicional, de limão, a R$ 8,00 (vodca) e R$ 6,00 (cachaça). O chope Brahma custa R$ 3,50 e a cerveja em garrafa sai por R$ 4,50 (Original e Serra Malte). É possível escolher ainda entre trinta rótulos de vinhos da adega climatizada.

SERVIÇO:Rua Almirante Tamandaré, 1365, Juvevê, 3016-6111. 11h30/1h (seg. a sáb.). Cc.: D, M e V. Cd.: M, R, C e V. Cr.: S, T, V e So. T.: Cr, C, T e V. (R$ 4,00 o período). Aberto em 2005.
www.jacobinabar.com.br

4 comentários:

Pedro Botelho disse...

Olá Lorena,

já achava que tinhas sido abduzida por algum extreterrestre em Santarém ...kkk
ainda quero a receita da farofa de piracuí viu ...pedido da Chef Roberta e pedido de Chef vc sabe é uma ordem ...

quanto aos fumantes relaxe ...afinal de contas não é pra ser uma mercearia ...kkk

vc viu saiu na prazeres o vero peso e aqui nada ....nao esquece de comprar a Gosto ok
abraços gastronomicos ,

Pedro Rui

Cadicoisa disse...

Ai, Lorena, já quero comer. Só não consiiiigoooo imaginar leite de coco. Quando criança, papai nos forçou (eu e mais as minhas duas irmãs) a comer pirarucu no leite do coco. Até hoje existe o trauma...heheheh.

Ó, tem selinhos no nosso blog pra ti. Olha lá!!!
Beijos,

Isaac.

Lorena Filgueiras disse...

Oi Pedro, não fui abduzida, não... hehehehe!
Mas fui conquistada...
Como te disse, não tenho a receita da farofa, mas não é mistério, garanto.
Vou testar em casa e postarei aqui.
Beijocas.

Lorena Filgueiras disse...

Isaac querido!!!!!!
Saudades, saudades...
Posso te dizer uma coisa?
Não dá para sentir o leite de coco... juro!
Mas se serve para amaciar a carne, então funcionou divinamente, porque só falta derreter na boca...
Olha, já vi os selinhos e já mando minha matéria de estreia para o Cadicoisa...
Beijocas enormes.
Lorena.